Notícias Nacionais

Bolsonaro decide fazer 36 vetos a dispositivos do projeto de abuso de autoridade

Por Delis Ortiz, TV Globo — Brasília

 

 

O presidente Jair Bolsonaro — Foto: Antonio Cruz / Agência BrasilO presidente Jair Bolsonaro — Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro — Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

O projeto foi aprovado pelo Congresso Nacional em agosto e define as situações que podem ser classificadas como abuso. O projeto tem 44 artigos. Foram vetados 36 dispositivos (trechos desses artigos) em 108 possíveis.

Desde que a proposta foi aprovada, porém, Bolsonaro já havia dito que vetaria alguns trechos por não concordar as regras previstas. Nesta terça (3), por exemplo, chegou a dizer que poderia vetar “quase 20” trechos.

Nesta quarta (4), em uma rede social, o presidente informou que havia acolhido integralmente as sugestões de veto apresentadas por alguns ministros, mas decidido manter a “essência” do texto do Congresso. Ele, contudo, não deu detalhes dos pontos a serem vetados.

No fim da tarde de terça-feira, Bolsonaro se reuniu com os ministros André Luis Mendonça (Advocacia-Geral da União), Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União), Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) e Jorge Oliveira (Secretaria-Geral) para definir os vetos. Nesta quarta, os ministros voltaram a se reunir para discutir o assunto.

“Traçamos um ponto médio das propostas [de veto apresentadas] por juízes promotores, além de dialogar com representantes dos parlamentares. […] [O texto com vetos] preservou a essência sem limitar a ação dos agentes públicos”, afirmou o ministro Jorge Oliveira.

 
 
Bolsonaro diz que deve vetar quase 20 pontos do projeto sobre abuso de autoridade

Bolsonaro diz que deve vetar quase 20 pontos do projeto sobre abuso de autoridade

Análise dos vetos

Quando a sanção da lei for publicada no “Diário Oficial da União”, também deverão ser publicados os vetos e as justificativas do governo.

Posteriormente, caberá ao Congresso Nacional manter ou derrubar a decisão do presidente da República. A análise será feita em sessão conjunta, formada por deputados e senadores.

Argumentos

Entidades têm se manifestado desde as últimas semanas a favor ou contra o projeto. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), por exemplo, afirmou em nota que a proposta é “equilibrada” e “significa a subordinação de todos, inclusive dos mais poderosos, ao império da lei”.

A Associação dos Juízes Federais (Ajufe), por outro lado, argumentou que o texto do Congresso visa “enfraquecer o combate à corrupção”, além de “prejudicar fortemente” as instituições.

Fonte: G1