Notícias Locais

Marido de contadora morta é preso novamente em Boa Vista das Missões

Por G1 RS e RBS TV Passo Fundo

Sandra Mara desapareceu em Palmeira das Missões, onde costumava ir a trabalho — Foto: Reprodução/RBS TVSandra Mara desapareceu em Palmeira das Missões, onde costumava ir a trabalho — Foto: Reprodução/RBS TV

Sandra Mara desapareceu em Palmeira das Missões, onde costumava ir a trabalho — Foto: Reprodução/RBS TV

O vereador Paulo Ivan Baptista Landfeld, réu pela morte da esposa, Sandra Mara Trentin, foi preso novamente na noite de terça-feira (7). A prisão foi solicitada pelo Ministério Público de Palmeira das Missões e cumprida na prefeitura municipal de Boa Vista das Missões, na Região Norte do Rio Grande do Sul, conforme o delegado Gustavo Fleury.

O pedido de prisão foi assinado pelo promotor de Justiça Guilherme Martins de Martins. O MP informou que requisitou a prisão do vereador para a garantia da ordem pública pela gravidade do fato e repercussão na comunidade local, e pela conveniência da instrução criminal.

Conforme o promotor, novos elementos foram somados ao conjunto probatório, que reforçaram provas da autoria e materialidade do crime de homicídio qualificado.

“Justifica-se pelos relatos documentados de tensão e medo causado pela permanência do réu Paulo Ivan em liberdade, sendo evidente o prejuízo que essa situação resulta à instrução penal, pelo temor generalizado de represálias contra quem pudesse vir a incriminá-lo ou revelar fatos contrários a sua defesa”, aponta o promotor.

A prisão foi decretada pelo juiz Gustavo Bruschi, da 1ª Vara Judicial da Comarca de Palmeira das Missões. O magistrado considerou que as atitudes do réu revelam destemor e afronta à Justiça, visto que ele descumpriu medida cautelar ao se aproximar de testemunhas.

Na decisão, o juiz também afirma que, após o aparecimento do corpo, uma testemunha falou à polícia que o casal brigava constantemente e que no dia do desaparecimento a vítima teria ido a Palmeira das Missões denunciar o marido. E acrescentou que pessoas que criaram um movimento em prol da vítima relataram terem sido ameaçadas por Landfeld.

Sandra desapareceu em janeiro de 2018 em Palmeira. No início deste ano foi encontrada uma ossada no mesmo município. Após um laudo do Departamento Médico Legal (DML), foi confirmado ser da contadora.Landfeld havia conseguido um habeas corpus em junho do ano passado e estava em liberdade. Após se apresentar na noite de terça, elefoi encaminhado ao Presídio Estadual de Palmeira das Missões.O advogado de Landfeld, Breno Francisco Ferigollo, informou ao G1 que está analisando o motivo pelo qual foi decretada novamente a prisão. Acrescentou que “vão analisar tudo e ver qual medida será tomada”.Landfeld é vereador de Boa Vista das Missões pelo PSDB.Relembre o casoSandra Mara Trentin, de 48 anos, foi vista pela última vez em Palmeira das Missões, em 30 de janeiro de 2018. Depois, a família encontrou o carro de Sandra estacionado em uma rua. Dentro do veículo, a polícia encontrou o chip do celular e documentos da mulher.Em fevereiro, Landfeldt, que é vereador na cidade de Boa Vista das Missões, foi apontado pela polícia como mandante da morte da mulher. Ele teria contratado um outro homem, chamado Ismael Bonetto, para matar a mulher. Ambos chegaram a ser presos em fevereiro, mas o vereador conseguiu um habeas corpus.Ao ser preso, em Santa Catarina, Bonetto confirmou o plano de Landfeldt e deu detalhes do caso. Já a defesa do vereador nega participação no crime. Ambos se negaram a passar pelo detector de mentiras.

A denúncia narra que Ismael e outros envolvidos, que não foram identificados pela polícia, espreitaram Sandra desde Boa Vista das Missões e a abordaram na cidade de Palmeira das Missões. Após renderem a vítima, levaram-na para local ermo, onde, ela foi morta a tiros. Segundo o MP, o crime ocorreu entre 30 de janeiro e 17 de fevereiro do ano passado.

Os denunciados respondem por homicídio triplamente qualificado. Landfeld teria mandado matar Sandra por motivo torpe. Segundo o MP, ele queria o fim do casamento sem a necessidade de partilha do patrimônio do casal. Paulo teria pago R$ 40 mil a Ismael.

Fonte: G1