Esportes

Dourado volta ao Chile quatro anos após estreia para liderar Inter na busca pelo tri da América

Por Eduardo Deconto — direto de Santiago, Chile

Abril de 2015. Um Rodrigo Dourado de 20 anos desembarca em Santiago do Chile envolto em expectativa de viver sua primeira partida de Libertadores com a camisa do Inter, em um sonho que logo se converteu na goleada por 4 a 0 sobre a Universidad de Chile, em pleno Estádio Nacional.

Março de 2019. O mesmo Rodrigo Dourado reencontra a Cordilheira dos Andes, uma vez mais tomado de expectativa. Mas com uma bagagem de quatro anos no elenco colorado e com um peso a mais afixado em seu braço direito: a braçadeira de capitão do Inter na estreia na Libertadores, nesta quarta-feira, às 19h15, contra o Palestino, no Estádio San Carlos de Apoquindo.

– Acho que evoluí muito. Era bastante novo naquela época. Era meu primeiro ano como profissional e na Libertadores. Hoje, estou mais maduro, experiente, como capitão da equipe. Chego melhor junto com a minha equipe. A gente se preparou bastante para essa Libertadores e espera fazer um grande jogo amanhã (quarta) – disse o volante, em entrevista à TV Inter.

Embedded video

 
Na cidade em que viveu a Libertadores pela primeira vez, o volante liderará o Inter no primeiro capítulo da busca pelo tri da América. Mesmo ao lado das grifes D’Alessandro e Rafael Sobis, Dourado é o maior emblema da reconstrução vivida pelo Inter para virar de vez a página do rebaixamento de 2016 e retomar o patamar da competição continental.

Em 2015, a atuação de luxo em frente à zaga na goleada sobre a La U serviu para consolidá-lo como titular de Diego Aguirre. E não é exagero dizer que aquela partida abriu caminho para que o volante ganhasse toda a bagagem que hoje o faz voltar ao Chile com a faixa de capitão no braço.

Nesta quarta-feira, Dourado será o único remanescente no time titular que atuou na última partida do Inter pela Libertadores. O volante esteve em campo na eliminação para o Tigres, em 2015, com derrota por 3 a 1 na semifinal. D’Alessandro, que também atuou em Monterrey, no México, deve estar no banco de reservas.
 

Dourado ao lado de D'Ale no reconhecimento do gramado — Foto: Eduardo DecontoDourado ao lado de D'Ale no reconhecimento do gramado — Foto: Eduardo Deconto

Dourado ao lado de D’Ale no reconhecimento do gramado — Foto: Eduardo Deconto

De lá para cá, o volante viveu quase tudo no clube. Sofreu e foi alvo de um sem-fim de críticas na campanha do rebaixamento, em 2016. Permaneceu e não só reconquistou a torcida com entrega dentro de campo, como participou da retomada com a volta à elite em 2017. Virou capitão na campanha que levou o Inter à 11ª participação na Libertadores, como 3º lugar no Brasileirão.

Por tudo isso, Dourado se consolida como referência do elenco, com uma liderança compartilhada com os ídolos colorados Rafael Sobis e D’Alessandro e com os goleiros Marcelo Lomba e Danilo Fernandes. Mas o volante não perdeu sua essência, com perfil reservado, de poucas palavras.

“É um cara sensacional, dentro e fora do campo. Viveu uma fase difícil. Esta competição é muito boa. Queremos aproveitar e fazer uma grande competição, pois é muito importante para a gente” (Víctor Cuesta, sobre Rodrigo Dourado)

Isso é ainda mais evidente durante a estadia do Inter em solo chileno. Dourado pouco fala a cada vez que passa pelas áreas de circulação comum do hotel da concentração do Inter e nos trajetos do ônibus ao campo de treino. Sua influência e circulação no grupo também é nítida.

Na última terça-feira, o volante chegou ao campo de treinamentos aos risos ao lado de Rafael Sobis. Depois, se dirigiu ao reconhecimento do gramado do Estádio San Carlos de Apoquindo ao lado de Emerson Santos e Iago. Em campo, teve uma resenha descontraída com Uendel e Guilherme Parede e também conversou com D’Alessandro e o executivo Rodrigo Caetano.

 

Vontade de vencer: Dourado cobra Lindoso para marcar durante o trabalho recreativo — Foto: Eduardo DecontoVontade de vencer: Dourado cobra Lindoso para marcar durante o trabalho recreativo — Foto: Eduardo Deconto

Vontade de vencer: Dourado cobra Lindoso para marcar durante o trabalho recreativo — Foto: Eduardo Deconto

Em campo, porém, o volante se transforma, com obstinação para perseguir o triunfo até mesmo no trabalho recreativo que encerrou a preparação do Inter para a estreia. No rachão que fechou a atividade, ele chegou a cobrar Rodrigo Lindoso para fazer o gol e chegar à vitória.

Apenas um exemplo da dedicação e da postura do capitão do Inter na busca pelo tri da América. Com uma indefinição entre Pedro Lucas e Rafael Sobis no ataque e com a retomada do tripé de volantes no meio-campo, o Colorado enfrenta o Palestino nesta quarta-feira, às 19h15, no San Carlos de Apoquindo, na estreia na competição continental.

PALESTINO X INTER – 1º RODADA – LIBERTADORES
  • Local: Estádio San Carlos de Apoquindo, em Santiago, Chile.
  • Data e horário: quarta-feira (06/03), às 19h15 (de Brasília).
  • Provável time do Inter: Marcelo Lomba; Zeca, Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta e Iago; Rodrigo Dourado, Edenílson, Patrick, Nico López e William Pottker; Pedro Lucas (Rafael Sobis)
  • Desfalques: Danilo Fernandes (lesionado) e Paolo Guerrero (suspenso).
  • Transmissão: SporTV 2 transmite ao vivo. O GloboEsporte.com acompanha em tempo real.
  • Arbitragem: Mário Diaz de Vivar apita a partida, auxiliado por Roberto Cañete e Dario Caona (trio do Paraguai).

Fonte: Globo Esporte