Notícias Locais

Secretaria da Saúde emite nota a respeito da proliferação de escorpiões na cidade

Tal situação de aumento dos relatos decorre do verão 2018/2019 ser quente e úmido, propício para sua proliferação.

Todas as demandas são direcionadas ao Setor de Vigilância Ambiental em Saúde que, por sua vez, realiza o registro e atende cada solicitação através de visitas domiciliares. O objetivo da visita “in loco” é o de identificar os locais de presença dos escorpiões e promover ações de educação ambiental e em saúde para que cada medida de controle se torne efetiva, em cada local, de maneira que elas sejam incorporadas no dia-a-dia da população. Salientamos, entretanto, que a Vigilância em Saúde não realiza a limpeza dos terrenos, sendo esta atividade de inteira responsabilidade do proprietário. Sabe-se que a eliminação do escorpião não é possível e nem viável. No entanto, o controle pode reduzir os riscos de acidentes. Confira algumas dicas sobre as medidas de controle.

NA ÁREA EXTERNA DO DOMICÍLIO

Manter limpos os quintais e jardins, não acumular folhas secas e lixo domiciliar; Acondicionar lixo domiciliar em sacos plásticos ou outros recipientes apropriados e fechados e entregá-los para o serviço de coleta. Não jogar lixos em terrenos baldios; Limpar terrenos baldios situados a cerca de dois metros das redondezas dos imóveis; Eliminar fontes de alimento para os escorpiões: baratas, aranhas, grilos e outros pequenos animais invertebrados; Evitar a formação de ambientes favoráveis ao abrigo de escorpiões, como obras de construção civil e terraplanagens que possam deixar entulhos, superfícies sem revestimento, umidade, etc.; Remover periodicamente materiais de construção e lenha armazenados, evitando o acúmulo exagerado; Preservar os inimigos naturais dos escorpiões, especialmente aves de hábitos noturnos (corujas, etc.), pequenos macacos, quati, lagartos, sapos e gansos; Evitar queimadas em terrenos baldios, pois desalojam os escorpiões; Remover folhagens, arbustos e trepadeiras junto às paredes externas e muros; Manter fossas sépticas bem vedadas, para evitar a passagem de baratas e escorpiões; Rebocar paredes externas e muros para que não apresentem vãos ou frestas. Observação: ao realizar a limpeza de terrenos, utilize botas, luvas de couro, calça comprida e camisa manga longa.

NA ÁREA INTERNA DO DOMICÍLIO

Rebocar paredes externas e muros para que não apresentem vãos ou frestas; Vedar soleiras de portas com rolos de areia ou rodos de borracha; Reparar rodapés soltos e colocar telas nas janelas;

Telas as aberturas dos ralos, pias e tanques; Telas aberturas de ventilação de porões e manter assoalhos calafetados; Manter todos os pontos de energia e telefone devidamente vedados.

Controle químico funciona?

Não, o hábito dos escorpiões de se abrigarem em frestas de paredes, embaixo de caixas, papelões, pilhas de tijolos, telhas, madeiras, em fendas e rachaduras do solo, juntamente com sua capacidade de permanecer meses sem se movimentar, torna o tratamento químico ineficaz.

Em casos de acidente o que fazer?

O paciente deve ser conduzido ao Hospital imediato, para ser avaliado por profissional médico e prescrito o tratamento mais adequado, conforme cada caso. É importante que se leve junto o animal agressor para ser identificado, quando possível capturá-lo. Há casos em que o soro antiescorpiônico pode ser necessário, mas na sua maioria, o tratamento requer aplicação de soro.

Encontrei um escorpião em minha residência, o que fazer? Em caso de visualização, se possível, o animal deve ser recolhido e encaminhado à Vigilância de Saúde Municipal ou a 15ª Coordenadoria Regional de Saúde para sua identificação. A captura somente deve ser feita com objeto longo, com pinças, e o animal colocado dentro de um recipiente com tampa vedada. Não pise com chinelos.

Onde ligar em caso de presença de escorpiões?

Vigilância Municipal de Palmeira das Missões: 3742-7619, das 07 às 11 horas e das 13 às 17 horas, de segunda à sexta-feira.

Vigilância Ambiental em Saúde 15ª CRS: 3742-2770, das 8 horas às 17h 30 minutos

Fonte: Jornal Expressão Regional